Busca de Produtos

 
Início
Empresa
Histórico
Marcos Históricos
Gestão de Qualidade
Marcas Próprias
Prêmios
Estrutura
Produtos
Alimentos Funcionais
Suplementos
Livros Científicos
Polymar Saúde
Poly News
Cadastre-se
Temas
Matéria Prima
Onde Comprar
P&D
Junte-se a Nós
Social
Noticias
Contatos

|

UMA FIBRA CHAMADA QUITOSANA

Em 1811, o professor francês Henri Braconnot descobriu em cogumelos a quitina, antecedente direto da quitosana, e nomeou esse polímero inicialmente de fungina. Em 1823, o pesquisador Odier, isolou este material em insetos e passou a nomeá-lo de quitina, e finalmente em 1843, Payen, outro estudioso deste polímero, em um estudo mais detalhado, descobriu a presença de nitrogênio em sua estrutura.

A quitina é encontrada em grande quantidade na natureza, tendo como principais fontes as carapaças de crustáceos, notadamente caranguejo, camarão e lagosta, podendo também ser encontrada em insetos, moluscos e na parede celular de fungos. É a fibra natural de maior abundancia depois da celulose, apresentando uma larga diversidade de aplicações, sendo parte considerável de sua utilização destinada à produção de quitosana, porém sendo também aplicada na indústria têxtil e cosmética.

A quitosana pos sua vez, foi descoberta alguns anos depois, por volta de 1859, pelo professor C. Rouget em seus experimentos. Este polímero insolúvel em água é um excelente ligante, propriedade importante para aplicação nas áreas farmacêutica, alimentícia e de saúde. A Quitosana adere facilmente a polímeros naturais como pele e cabelo, constituídos por proteínas.

Este polímero vem sendo produzido há algumas décadas, e no Japão experimentou um considerável aumento na sua produção por volta dos anos de 1978 e 1983. A qualidade e as propriedades da Quitosana variam dependendo dos fatores empregados na sua fabricação, o que influencia de forma decisiva na característica do produto final. As aplicações deste polímero que mais se destacam na atualidade estão voltadas para a área de saúde, redução de peso e colesterol, produção de alimentos funcionais, assim como aplicação em cosméticos.

Outras áreas também despertaram interesse para a utilização deste material, como na proteção de semente, devido as suas propriedades bactericida e fungicida, na fabricação de vestimentas, produção de biomateriais, bandagens na cicatrização de cortes, além de tratamento de rejeitos industriais, entre outros. Essa fibra apresenta também aplicação na área veterinária, podendo ser adicionada na produção de ração, e em suplementos alimentares para animais.

As propriedades de absorção gordura e redução do colesterol são objetos de estudo de diversas pesquisas ao longo do mundo. A quitosana é tema das mais variadas publicações e alvo de diversas linhas de pesquisa e experimentos. Os benéficos fornecidos no consumo desta fibra são inúmeros, desde regulação da função digestiva, absorção de gorduras não permitindo sua absorção pelo organismo, redução dos níveis de açúcar no organismo.

O processo de absorção das gorduras pela quitosana se dá quando a fibra é ingerida antes da ingestão dos alimentos. Quando chega ao estomago, a fibra em contato com meio acido, se solubiliza transformando-se em gel. Este gel apresenta condições adequadas para atrair e capturar as gorduras presentes nos alimentos ingeridos, levando-as em direção ao intestino, onde a quitosana é solidificada formando um envoltório em torno das gorduras, não permitindo assim sua absorção pelo organismo.

Em média, a quitosana tem capacidade de ligar-se de 8 a 10 vezes seu peso em gorduras, o que representaria 8 gramas de gordura para cada grama de quitosana. Considerando a ingestão de 3 gramas diariamente de quitosana, é possível eliminar em torno de 24 gramas de gorduras, o que equivale aproximadamente a uma redução de 240kcal na dieta diária. Isso significa que mantendo a mesma dieta e incluindo a ingestão da quitosana, é possível se obter uma perda gradual de peso.

A perda de peso ocorre devido ao processo que o organismo busca de utilização da reserva energética corporal para compensar o déficit causado pela absorção das gorduras pela fibra. Porém, só se observará resultado se não houver compensação calórica através da ingestão de alimentos ricos em açúcar ou massas, sobre o que a fibra não tem qualquer ação.

A quitosana é uma fibra natural de origem animal, e tal qual como as outras fibras, não possuem valor calórico, não são digeríveis e não fornecem energia ao organismo. Assim como, auxiliam na redução de toxinas, favorecem a redução de consumo de alimentos pela satisfação parcial que as fibras fornecem, a redução dos níveis de colesterol e dos níveis de risco de doenças cardíacas, além de outros benefícios.

Um aperfeiçoamento feito a esta fibra maximizando seus efeitos, foi a combinação da quitosana com o Psyllium, devido aos benefícios adicionados provenientes desta outra fibra. O Pantago psyllium é uma erva nativa da região mediterrânea, incluindo a África e Paquistão, sendo também encontrada na Índia e Irã do Norte. As partes utilizadas desta planta são as sementes e a casca, sendo uma fonte natural de fibras.

As fibras provenientes da Plantago psyllium são fibras solúveis de origem vegetal, com capacidade de absorver de 7 a 15 vezes seu peso em água. Devido a sua enorme capacidade de retenção de água, podendo aumentar em ate 10 vezes o seu tamanho original, o gel viscoso que se forma é capaz de se ligar a proteínas e carboidratos. O Psyllium apresenta propriedades laxativas e favorece a redução do peso corporal.

A união destas duas fibras representa um resultado surpreendente, pois a quitosana tem propriedade de agir sobre as gorduras e o psyllium tem sua ação voltada para os carboidratos e as proteínas, auxiliando ainda outro benefício da quitosana, a regulação intestinal, devido ao seu efeito laxativo. O Psyllium tem ação sobre a prisão de ventre e sobre a sensação de fome, promovendo ainda redução na concentração de insulina e glicose no sangue. Dois grande aliados no importante combate a obesidade.




 

Site Desenvolvido por 3WFast Soluções Interativas